Mâncora

Mancora, 21 e 22 de março de 2012

De volta ao litoral, decidimos ficar em Mâncora ao invés de Tumbes. A praia é bem legal, ambiente de surfistas, hippies e alternativos. Você vai encontrar de hotéis sofisticados com spa e instrutores de yoga a campings alternativos cheios de bicho grilo. Ficamos no Camping do Tito, um ambiente muito legal, com um lindo jardim, cozinha e uma galera bem divertida. Passamos o dia na praia, tomamos nosso primeiro torrão. O mar estava espetacular, quente com pequenas ondinhas, acho que ficamos por horas. Vimos um morador muito corajoso dando um esporro em um policial que estava sentado mandando mensagem no celular, mandou ele se levantar e ir trabalhar, que a população não está pagando pra ele ficar coçando o saco, este nobre cidadão ainda tirou uma foto e disse que iria denunciá-lo por não cumprir com suas obrigações, infelizmente o policial ignorou por completo sujeito.

No fim do dia andávamos pelo centrinho, apreciávamos artesanatos, curtíamos o pôr do sol e os mosquitos. Muitos, muitos, muitos mosquitos, ficamos com alergia e passamos por alguns dias com o sono interrompido por tanta coceira, cheguei a pensar que poderia estar com catapora, sarampo ou algo do tipo, pois nosso corpo estava infestado de bolinhas vermelhas. Nos divertimos caminhando pela praia e um coroa espanhol bem apessoado, como diria minha vó, estava cavalgando e nos pediu para tirar uma foto dele em seu blackberry trotando ao por do sol na praia de Mâncora, para mandar a foto aos seus fans do face book. Morro e não vejo tudo.

Anúncios

Trujillo e Piura

Trujillo e Piura, 17 a 20 de março de 2012

 

Parada para descansar em Trujillo, relaxar os músculos tensos, ajeitar o carro, trocar óleo e filtros. As praias de Trujillo não nos agradaram, mas a comida sim nos encantou. Comemos pratos deliciosos, bonitos e baratos. Um pouquinho forte de pimenta, mas nada que um trono não resolva. Observação, antes de utilizar os banheiros dos restaurantes, cheque se tem água, pois muitos te deixam em uma posição bem desconfortável. Sabe aquela sensação de que todos vão enxergar na tua cara que você deixou uma lembrancinha a vista no banheiro?!?! Nunca passou por isso? Bom pra você!

 

Eu disse pra Hanna parar de brincar com a comida! Mas os dentes realmente estavam em nosso prato!

 

Dali fomos para as ruínas de Chan Chan. São cidades de civilização pré-inca protegidas por grandes muralhas de barro. O incrível está nos detalhes de desenhos que eles faziam nas construções, a grande maioria é réplica, mas muitos ainda estão em perfeito estado, muito impressionante.

 

Encontramos um famoso cachorro pelado peruano.

 

Hanna segurando a parede de Chan Chan pra não cair... pu dum pshh

 

Paredes internas de Chan Chan

 

Patio interno de Chan Chan

 

Detalhes de Chan Chan

 

Piscina dos antigos moradores

 

Dali, tínhamos a intenção de ir a Tumbes, última cidade que visitaríamos antes de entrar no Equador. No caminhos, pufff, o pneu furou, estávamos entre dois povoados em uma região com muitas fazendas a uns 400km de Tumbes. Mas despreocupados, pois tínhamos dois estepes. Pegamos o estepe que está dentro do carro, mas na hora de trocar, uma surpresa, a roda que compramos na Argentina, supostamente era de uma Ranger, porém tinha os buracos de tamanhos diferentes da nossa. Tudo bem, tínhamos um outro estepe debaixo do carro. Começamos a baixar o estepe, quando de repente a alavanca que baixa o pneu simplesmente quebrou. O pneu ficou pendurado e não tínhamos como tirar. Essa mesma alavanca também se utiliza para levantar e baixar o macaco. Tínhamos dois estepes que não podíamos usar e um macaco inútil.

 

Enquanto isso, milhares de moto taxis passavam pelo acostamento e nos sacaneavam derrubando nosso triângulo. Fiquei ali segurando o triângulo, se quisessem derrubá-lo tinham que passar por cima de mim, por sorte ninguém passou hehehe. Resolvemos, então, que a melhor solução era tirar o pneu furado e levar para consertar, para isso íamos precisar de uma carona que nos ajudasse, comecei a pedir ajuda, passou uma camionete com um casal, passaram reto, mas depois retornaram. Foi ai que conhecemos duas pessoas muito especiais, Emiko e Luis. O Julio foi com Luis arrumar o pneu no povoado mais próximo e Emi ficou comigo no carro. Quando retornaram eles nos convidaram para ficar na casa deles na cidade Piura, pois tinham um quarto disponível. Aceitamos, pois eles nos pareceram pessoas muito boas, muito mais do que poderíamos imaginar. Eles têm três filhos, Mari Carmen, Laura e Pablo, que são muito queridos, e uma história de vida muito linda de muito trabalho e conquistas. Começaram como vendedores ambulantes e hoje tem duas lojas enormes de departamento com roupas, calçados, cozinha, banho, etc. Um verdadeiro exemplo para a nação, reconhecidos e premiados pelo governo do Peru. Nos receberam como se fossemos da família, pediram para que ficássemos um dia a mais para arrumamos o carro e viajarmos com segurança. Apesar de todos os trabalhos que eles tinham, nos deram muita atenção e nos sentimos super bem neste ambiente familiar. Conhecemos também a Luiza que trabalha com eles, que se dedicou a me ensinar como prepara um ceviche caseiro e um delicioso lomo saltado. Nos encantamos com o cachorro Otro, que adora molhar a barriga no balde d’água. Ficamos emocionados com todo o carinho que nos receberam e esperamos sinceramente um dia poder revê-los, quem sabe em Florianópolis.

 

Otro

 

Laura e Mari Carmen

 

Luis, Hanna e Emi

Huaraz

Huaraz, 15 e 16 de março de 2012

 

Do litoral para a serra, seguimos em direção à cordilheira branca para apreciar uma das regiões, considerada por muitos peruanos, mais bonitas do pais. Fomos aos lagos de Llanganuco que ficam no parque nacional de Huaraz, mas o acesso para chegar até lá é absolutamente horrível, foi a pior estrada que pegamos no caminho, ela deve ter sida bombardeada, pois não era possivel ter tantos buracos em uma só estrada. Uma estrada de terra, cheias de burados e serra, perfeito para acabar com nosso humor. O Julio queria desistir e voltar, mas estavamos ali pra isso. Quando chegamos na entrada do parque o pessoal que vendeu o ticket perguntou três vezes se não íamos acampar, pois para camping era mais caro. Respondi a primeira vez que não, a segunda vez que não, a terceira vez que não, se perguntassem a quarta vez  com certeza uma força maior dentro de mim ia engrossar a voz, pois estava perdendo a paciência. Estavamos irritados, o Julio mal conseguia apreciar a paisagem, mas logo fomos nos acalmando e realmente a região é bem bonita, são dois lagos grandes com água cor turquesa em meio a montanhas nevadas.

 

Laguna de Llanganuco, em Huaraz

 

Hanna e o Llanganuco

 

Se nos perguntarem se vale a pena o esforço, digo que já vimos lagos mais bonitos e interessantes no Chile com as condições de estradas, mesmo em rípio, bem melhores que essa. E que eles deveriam se preparar um pouco mais para o turismo. Quando achavamos que o pior já havia passado, não estávamos nem perto, a volta foi a pior e mais tensa estrada que pegamos durante toda a viagem. Se a Bolivia tem a estrada da morte, Peru tem a estrada do suicídio. Uma serra que atravessa montanhas de 4000 metros de altitude, com pista para um carro só, com ônibus, caminhões e peruanos loucos dirigindo. Cada curva era um pavor, muitas delas tínhamos que dar a ré para conseguir completá-las, pois eram muito estreitas, ficamos imaginando como um ônibus faria essas curvas, era raro encontrar um lugar onde pudesse passar dois carros, então torciamos para não ter que encontrar nenhum em nosso caminho. Quando isso acontecia, pensávamos: “e agora, impossível dar a ré por aqui”, e nos colocavamos a um centimetro de precipícios de mais de 1000 metros de altura. Sentimos muito medo, mas não tinha mais como retroceder. Finalmente chegamos ao litoral novamente. Esperamos nunca mais ter que passar por situações como essa, esse é um tipo de estrada que deveria ser utilizada como trilha para andarilhos malucos e nada mais. Mas ainda assim se encontra beleza na estrada da morte:

 

Beleza na estrada do suicídio peruana

Caral

Caral, 14 de março de 2012

De volta pra estrada, não foi fácil andar pelo litoral com tantos policiais tentando nos extorquir, alguns aceitavam uma balinha e um sorriso dos simpáticos brasileiros, mas outros queriam “plata”, claro que não damos, sempre tentamos exigir a multa que eles inventam e depois de muita insistência eles acabam desistindo. Estávamos a caminho das ruínas de Caral, simplesmente considerada a civilização mais antiga de toda América.

 

Ruínas ainda em escavação de Caral

 

Passamos por muitas granjas em meio ao deserto do litoral até chegar lá. Muita expectativa, pois as fotos que vimos eram impressionantes. Sabe quando você anda por um local e tenta descobrir de onde tiraram aquela foto que você tanto apreciou? Assim foi em Caral, queríamos ter aquela visão do que realmente apreciamos na propaganda, mas não foi possível, nossa expectativa brochou um pouquinho, mesmo assim foi legal estar ali. A quase 5000 anos atrás eles já possuíam tecnologia sísmica para manter suas pirâmides firmes diante de tantos tremores que a região vive. Em pensar que todas aquelas ruínas a poucos anos atrás eram  dunas que as crianças dos povoados ao redor brincavam, imaginamos quanto ainda tem para se descobrir por aqui.

 

Pirâmides de Caral, já tinham tecnologia anti sismica.

 

Hanna na estrada de 5000 anos de Caral

 

O templo del Anfiteatro de Caral

 

Depois da visita finalmente achamos uma praia para camping, e ficamos na praia apreciando uma enorme revoada de pássaros, acho que foi uma das melhores partes do litoral que apreciamos até o momento, pena que mais uma vez ao redor tinham milhares de granjas. Os frangos são os que mais aproveitam o litoral. Não é qualquer frango que pode viver com vista pro mar, com certeza aqui eles tem uma vida bem mais feliz antes de irem pro KFC!

Lima

Lima, 10 a 14 de março de 2012

 

Peru!

 

Couch Surfing de novo, é sempre bom ser recebido por alguém local que abre as portas de sua casa para nos mostrar um pouco de sua cultura. Quem nos recebeu dessa vez foi Vittorino, um simpático peruano que nos preparou o melhor pisco do Peru. Para quem quiser aprender: duas medidas de pisco, uma de limão, uma de Jarabe, uma clara, bate tudo e deguste essa delicia. anhammmmmmm!

 

Julio e o Pisco!

 

Com Vitto fizemos um roteiro turístico e gastronômico incrível. Ceviche com leite de tigre, lomo saltado, batata huancaina, Tacu Tacu, cremolada, batatas rellena,. Passeamos pelo bairro Miraflores, em suas calçadas a beira-mar, a praça romântica com o casal de namorados, apreciamos pessoas saltando de parapente e passamos por lindas praças com pessoas dançando, feira de antiguidades e artesanatos. Fomos pra balada a beira-mar, o Julio foi barrado por estar de bermuda e chinelo, mas eles conheciam os administradores que liberaram a entrada, nos sentimos VIPs.

 

Ceviche na cevicheria Puro Tumbes

 

Alguma porta gigante!

 

Vitto e Marie com o ceviche, pessoal do CS Lima

 

Que romanticuzinho!

 

Bixinho de estimação

 

O pessoal dançando no meio da praça

 

Feira no centro de Lima

 

Coelhinho em miraflores

 

Artesanato peruano - alta qualidade

 

Vimos o frade pulando do costão, uma longa estória, mas em resumo ele pulou por estar descornado e virou uma lenda, aí então uns loucos começaram a pular do mesmo lugar, onde tem um restaurante chamado “O pulo do frade”, para ganhar dinheiro. Esses loucos se atiram de uns 8 metros de bico no mar com fortes ondas e depois passam a caneca pedindo dinheiro, e não faltam admiradores para contribuir com esta insanidade total. Detalhe, não tem apenas um frade, são vários frades se revezando, com seu estilo próprio de salto e apresentação.

 

Por ai que o frade pulava!

 

Passeamos pelos pontos históricos no centro, conhecemos o museu do Ouro e vimos lindos objetos de ouro utilizados pelo incas, desde adornos para os cabelos, brincos de alargadores, colares, roupas enormes feitas inteirinhas de ouro, entre outros, nao tinhamos entrado ate o momento em nenhum museu que tivesse uma coleção tão grande desses objetos. Da pra entender por que os espanhóis ficaram louquinhos com essas regiões e nem quiseram saber do Brasil. Ainda Bem! Alem desses artefatos, o museu também tem um outro setor com uma gigantesca coleção de armas do mundo todo. Armas que contam muitas historias e passaram por algumas guerras, armas classicas de filmes, armas enviadas por diversos presidentes como presente ao museu, arma de completos desconhecidos, armas que vão desde revólveres, a metralhadoras, facas, adagas, espadas, alem de roupas tradicionais de batalhas utilizadas por diferentes nações ao redor do mundo.

 

Hanna e Vitto na Plaza Mayor

 

Famosos balcões coloniais do centro histórico

 

Palácio do Governo - Lima, Peru

 

Cerro San Cristobal, Lima - Peru

 

Lima é uma cidade moderna com grandes avenidas e diversos centros comerciais gigantescos. A cada esquina se encontra um fast food americano, Burger King, KFC, Starbucks, Mac, Pizza Hut, Dominos, etc., mas também preserva seus restaurantes tradicionais com deliciosos pratos típicos peruanos e seus mercados com pequenas cozinhas com pratos bem baratos. Fomos no clássico bar Cordano, onde comemos Tacu Tacu e papas huancaina. Conhecemos o melhor lomo saltado de Lima no restaurante Hiraki. E visitamos o Bar Queirolo em Pueblo Libre, o bar dos bohêmios.

 

Bar Queirolo, um ar tradicional em Pueblo Livre, Lima

 

Próximo da cidade fomos visitar a região de Callao, um delicioso passeio à beira mar. Em uma região com muitos restaurantes, simpáticas praças, casas coloniais, praias de pedras, mirante, calçadões a beira-mar e uma linda fortaleza.

 

O mirante de Callao, com Hanna e Vitto

 

A bixinha na fortaleza del Real Felipe

 

Julio, Vitto e os guardinhas da fortaleza

 

Ficamos admirando um caranguejo folgado que queria brigar com todos os outros, que fugiam dele, até que ele ficou triste e desistiu.

 

O carangueijo folgado, em Callao

 

Lá comemos no bar Don Giusepe, um deliciosos sanduíches de ova de peixe, pescados e enrolados de caranguejos acompanhados de uma cervejinha. Não estávamos preparados para tomar uma banho de mar mas a água parecia muito agradável, se você for visitar não se esqueça de levar um calçado adequado para andar nas pedrinha, pois descalço é bem difícil, depois de preparado é só aproveitar, não era o nosso caso. Ficamos ali suados de baixo daquele sol fortíssimo invejando um casal se deliciando na praia, um ridículo bombadinho de academia todo depilado passando protetor para cair na água, um grupo de moleques  pulando do pier. Já estávamos a ponto de pular de roupa e tudo, mas a triste consciência dizia, vocês não tem toalha, não vai querer ficar de calcinha e sutiãn na frente de todos, ou de cueca velha, sem contar que depois vai molhar o carro todo. Por que somos assim? Por que? Nossa próxima regra para viagem a beira-mar, sempre levar roupa de banho, toalhas e protetor.

 

Praia de Lima... totalmente cheia!

Paracas

Paracas

A caminho de Lima, passamos por Paracas, uma reserva marinha com exóticas praias. Lindas praias com areia roxas, areias brancas, amarelas, costões e desertos. Como é bom voltar a sentir o cheiro do mar novamente. Dali seguimos para Lima, acompanhados de muito deserto e litoral. Infelizmente o peruano não aprecia o mar. O que mais vimos foram granjas à beira-mar, será que o mar é limpinho com todas essas granjas? Agora sabemos de onde vem todo o frango que os peruanos consomem, e não é pouco. É difícil encontrar uma praia pra ficar e apreciar, de vez em quando passávamos por alguma enseada com praias exclusivas, cheio de pequenas casinhas brancas, com coqueiros e um grande muro que separa esses pequenos paraísos exclusivos do resto da sociedade. E as vezes passávamos por povoados à beira-mar que vivem em suas casa simples sem reboco e muitas vezes de palha, ruas caóticas com milhares de moto taxis e feirantes vendendo sucos e frutas. Em muitos momentos parecia que um tsunami tinha passado pelas praias, isso pela grande quantidade de entulho, como restos de construções, que estavam à beira das avenidas principais. Ficamos na dúvida se realmente tinha sido um tsunami ou era apenas descaso. Nada de camping e nem praias com uma costa onde pudéssemos parar para caminhar e apreciar o mar. Peru ainda tem uma costa bem desvalorizada, enquanto isso o resto do mundo paga milhões por um lote à beira-mar.

Praia de areia vermelha em Paracas

 

O Julio não aguentou e foi molhar os pés

 

Praia das minas, muito linda!

 

Era pra ter uma capela de fundo (natural), mas a neblina não deixou

Nazca

Nazca, 6 a 8 de março de 2012

 

Fizemos uma longa e cansativa viagem até chegar a Nazca, serras e mais serras que pareciam infinitas, curvas e mais curvas, plasil e mais plasil. Chegamos então na cidade da maior duna do mundo e das misteriosas linhas que o tempo não apaga. Mistérios respondidos por muitos, mas que ainda mantém muitas interrogações. Cada um com suas teorias, qual acreditar, não sabemos, preferimos acreditar nas teorias mais lógicas, por que o negocio realmente é muito doido. A parada é loca!

 

O Astronauta, ou o "observador", o único desenho em montanha e está apontando pra cima!?!? - Linhas de Nazca

 

Compramos os tickets, pediram para que não tomássemos o café da manhã antes do vôo, pois muitos passam mal. Um frio na barriga começou a bater, e lá fomos nós, depois de muita espera, embarcamos. Quatro passageiros e dois pilotos, o espaço parecia menor que um fusca. Sempre gosto da sensação de voar. Mas neste pequeno avião nos deu calafrios, a gente se sente mais exposto.

 

Não é carinho de colegas, é que é apertado mesmo!

 

Empolgados com a aventura

 

Tava feliz! Ainda não tinham começado as curvas!

 

A decolagem foi tranquila, assim como o vôo, até chegar nas linhas. Começou a rota, os desenhos são muito perfeitos vistos de cima, baleias, cachorros, macaco, beija-flor, figuras geométricas, árvore… ao total são doze figuras. Que coisa doida, em meio a tanto deserto, estar ali apreciando desenho de animais que vivem tão distante dos desertos. O único problema é que para apreciá-los o avião precisa dar várias voltas, e fica bem inclinado para que possamos apreciar, em um angulo de 45 graus, para a direita depois para esquerda e assim acontece com cada desenho.

 

Saca a curva!!

 

Isso dá uma reviravolta no estômago muito grande, era difícil um turista que não ficasse mal. Eu tomei um remedinho antes do vôo, mas o Julio ficou branco e deixou pra tomar durante. Mesmo com a sensação de mal estar durante as curvas, as imagens eram impressionantes, e a sensação de estar voando por cima delas era incrível, chegamos com cara de bobos. A aterrissagem deu um friozinho na barriga, parecia que o avião era pequeno demais para encostar no chão, a sensação que se tivesse uma pedrinha no caminho ele se destroçaria. Foram 30 minutos de vôo sobre desenhos que vão ficar para sempre em nossa memória, mas com certeza prefiro fazer vôos planos da próxima vez.

 

A baleia de Nazca

 

El perro de Nazca

 

O macaco de Nazca

 

Colibri - Linhas de Nazca

 

The Spider - Nazca Lines

 

O Condor

 

A árvore e o mirador. O mirador era grande, só pra ter noção.

 

As mãos, ou Las Manos de Nazca

 

Depois dessa louca experiência mais uma surpresa, fomos ao cemitério de Chauchilla… um cemitério aberto em meio ao deserto com múmias milenares que ainda preservam suas roupas, cabelos e algumas partes musculares. São dozes tumbas bem conservadas, infelizmente esquecemos da máquina, mas fica uma foto da net para se ter noção de como é este cemitério.

 

Múmias e caveiras no cemitério de Chauchilla. Fonte: http://www.mysteryperu.com

 

Além do cemitério conhecemos também os dutos que os povos pré-incas usavam para manter a água limpa. São espirais de pedras que descem até a passagem de água. Esses dutos milenares foram tão bem feitos que ainda estão em funcionamento. Infelizmente a água limpa, cristalina vai parar em um açude com plantas e pássaros que não parece estar sendo bem aproveitada, mesmo sendo Nazca um grande deserto.

 

Espirais gigantes fontes de água

 

São várias as espirais para chegar no canal de água limpa.