Montevideo

Montevidéu, 13 a 15 de setembro de 2011.

Cidade grande, muita cultura, museus, praças com grandes monumentos e pessoas de diversos estilos. Comércio de tudo que se pode imaginar e grande concentração de gente. Cidades grandes nos agradam muito também e com Montevidéu não poderia ser diferente. Trânsito de cidade grande não é muito agradável, assim como estacionamento, que para caminhonete é pior ainda. Mas atrás da grande urbanização tem muita historia.

 

Praça da Independência

 

A cidade tem ruas bem arborizadas e a rua 18 de julho tem edifícios antigos com estilos europeus muito bem conservados.  Também possui muitas praças com esculturas, árvores, gramadões e pombos cagões, hehehe.

 

Praça da independência - do outro lado

 

Alguém se arrisca sentar?

 

São diversos monumentos históricos para se visitar, um deles, não muito importante, mas que nós achamos muito interessante é o museu pedagógico. Conhecemos um pouco da evolução educacional no país. Existia uma época em que os alunos eram punidos de formas bem rígidas e vergonhosas. Algumas das punições já ouvimos os nossos avós contarem, acho que alguns devem ter ouvido falar. Tinham maquetes de pequenos bonecos usando a mordaça, chapéu de burro, língua de (algum bicho), dedo no buraco (para o aluno se abaixar e colocar o dedo em um buraco no chão… hehehe todo mundo pensou besteira), palmatória, etc. ainda bem que não somos desta época.

 

Dá a mãozinha... dá!

 

A cidade tem um extenso calçadão para passear a beira do rio da prata conhecido como ramblas. Tem uma parte com edifícios que nos lembrou muito a beira mar de Florianópolis. O calçadão é um local excelente para caminhar, correr e, para quem gosta, tem pistas de patinação bem lisinhas. A ramblas tem aproximadamente 20 km. Os uruguaios adoram brincar com seus cachorros na praia, é muito comum ver esta cena de afeto por aqui. E claro, não poderia faltar o tradicional chimarrão gaúcho. É um ótimo lugar para se apreciar o pôr do sol.

 

Ramblas

 

Uma visita muito agradável para se fazer é no Palácio Legislativo. A visita é guiada e o local é maravilhoso. Coberto de mármore de várias cores (provenientes do Urugai), design dos vitrais e mosaicos italiano. Os móveis são de madeiras nobres provenientes de outros países. É muito interessante passear por ali onde os grandes acontecimentos políticos ocorrem. No salão principal está a declaração de independência do país, assinada pelo general Artigas. Não pudemos conhecer, mas próximo dali ficam os escritórios dos deputados e eles podem ir ate o palácio através de túneis subterrâneos. Muito interessante, todas as sessões são abertas ao público.

 

Hanna e o Palácio

 

Estivemos em um museu nacional do Uruguai, e achamos muito legal ver o livro do centenário do país em 1930 com assinaturas de aproximadamente 700.000 habitantes. Ou seja, praticamente todos os habitantes da época assinaram o livro.

 

Livro do centenário

 

Na cidade ficamos hospedados através do couch surfing na casa do Sebastián. Ele é um cara muito agradável, e um tremendo paizão. Ele divide a casa com o Nacho, que nos preparou uma carne assada deliciosa. Nacho é agrônomo e Sebastián bioquímico que quer ser veterinário. Ambos adoram musicas brasileiras. Sebastian gostava tanto de Caetano Veloso que chegou a colocar o nome de um de seus filhos de Caetano. Conhecemos apenas um de seus filhos, o pequeno Ismael, de 4 anos. Cheio de vitalidade, adora brincar de capitão gancho. Eles foram pessoas muito acolhedoras, e foi muito bom para nos ficar nesse ambiente familiar.

 

Sebastián, Julio e Hanna

 

Claro que não poderíamos deixar de desfrutar a famosa parrillada no mercado público. Mas quando se chega lá fica difícil de escolher. São várias opções de restaurantes e sempre tem alguém muito educado para tentar te convencer que a parrillada deles é a melhor. O atendimento é padrão, então o lugar que você for escolher com certeza será bom. Talvez a combinação não seja das melhores, mas não deixe de tomar o medio y medio que é uma mistura entre vinho branco com espumante. Uma garrafa dessas já vai te deixar bem animadinho. Não sabemos por que, mas depois de muita carne e um pouco de espumante deu um tremendo de um sono.

 

Picaña rugosa

 

O mapa de turismo que tínhamos concentrava apenas o centro. Mas o Sebastián nos deu algumas dicas de outros lugares interessantes para conhecer. A região do Prado, que tem museus, o Jardim Botânico, um mini jardim japonês e diversas casas antigas que parecem pequenos castelinhos. Dizem que essa região eram as antigas casas de campo. Deveria ser um luxo na época. Outra dica foi apreciar o forte no morro do cerrito e ainda ter uma vista panorâmica da cidade.

 

Jardim japonês

 

Quando estávamos em Atlantida, Rosario, uma uruguaia pra lá de simpática, nos comentou sobre uma família de uruguaios que viajaram o mundo todo por 4 anos em um Citron Mehari. Eles retornaram há pouco tempo para Montevidéu. Ela encaminhou um e-mail para eles para saber se eles poderiam nos conhecer. Assim poderíamos compartilhar um pouco de nossas historias e pegar algumas dicas. Mario, o pai, e Matias, um dos filhos, nos receberam muito bem, tivemos uma agradável conversa e pegamos dicas muito interessantes. Além disso, tivemos a oportunidade de comprar o livro com toda a história e roteiro que nos ajudaram muito. O objetivo de sua viajem era conhecer uruguaios que estavam morando em outros países e convencê-los a voltar ao Uruguai. Aproximadamente um terço da população do Uruguai vive for a do país. O carro deles é bem pequeno e muito simpático. Foi um prazer termos tido o contato com esses aventureiros. Quem tiver interesse em conhecer um pouquinho mais acesse: http://www.uruguayporelmundo.com/

 

Citroën Mehari, Mario, Matias e Julio

Anúncios