Asuncion

Asunción, 29 e 30 de setembro e 1° de outubro de 2011.

No caminho para Asunción, paramos para comer chipa, que é um tipo de pão de queijo com milho, muito gostoso e muito comum aqui no Paraguai. Alguns Têm em formato de rosca, bolinhos pequenos e bolinhos maiores recheados com queijo, carne e outros. Em Asución ficamos na casa do Ever através do couch surfing, um host muito querido. Ele gosta muito de viajar e adora o povo e a música brasileira. A família dele é muito acolhedora e gostam muito de animais. Eles tem 3 cachorros, 1 papagaio e um cervo (veadinho tipo o Bambi) de 3 meses. É a primeira vez que conheço um cervo, cheguei a dar leite, muito fofo e carinhoso.

 

Hanna e Buffalo, o bambi

 

Lá encontramos mais uma couch, Katrzena (tradução, Catarina), uma polaca muito querida. Pelo visto temos muita sintonia com os polacos. Fomos os três visitar a cidade (Eu, Júlio e Catarina) conhecer os museus e prédios históricos. Asunción, como Ciudad del Este tem muito comércio, porém a cidade é mais organizada. Quando estávamos em frente à catedral da cidade, que estava fechada, um morador da cidade, nos vendo de baixo daquele sol do meio dia com cara de turista, veio nos oferecer ajuda, pois parecíamos um pouco perdidos. Muito simpático, ele tinha uma amiga polonesa e nos convidou para encontrá-los em um bar mais à noite.

 

Palácio do Governo

 

Casa do Gnral. Lopez no Jardim Botânico

 

Fomos então ao Britania Pub e lá encontrados uma turma muito divertida que nos deram muitas dicas de lugares para visitar. O bar é grande e muito legal, bem movimentado, boa música (finalmente), e ótimas companhias que curtem rock e quadrinhos, ficamos impressionados com o projeto que um deles fez das garras do Wolverine, não era adamantium, mas ficou muito parecido. Depois voltamos a este mesmo bar com a Catarina e o Martin (um Tcheco que conhecemos mais tarde). Era noite de Oktoberfest e tinha muita cerveja e comida alema.

 

Martin e Katrzena bebendo no Britania Pub

 

Pegamos um dia de chuva em Asunción, até tentamos passear, mas a cidade vira um verdadeiro rio em alguns pontos e decidimos parar um pouco. Aproveitamos para apreciar um pouco mais da culinária paraguaia. Hummmmmmmm, a sopa paraguaia (que tá mais para um suflê) é muito saborosa, é um tipo de massa de milho bem fofinha e molhadinha com recheio de queijo ou carne. Comemos acompanhados de frango assado na lenha com a pele bem crocante.

Na última noite aproveitamos para conhecer um pouco das baladas da cidade. Na região de  Villa Morra tem muitos bares, restaurantes e discotecas de altíssimo nível. O pessoal da cidade realmente gosta de uma vida noturna. Tem pra todos os gostos e bolsos. Assistimos uma banda em um pub com clássicos do rock que foi uma das mais divertidas que já vimos, o vocalista era um verdadeiro imitador de vocais. O mais divertido era ver o vocalista, com olhos puxadinhos, bem mesclado com sangue indígena cantando… “Hiiiiighway to Hell” todo empolgado!! Muito bom.

Anúncios