São Luís

São Luís

 

Cai cai balão! É festa junina!

 

Para cortar caminho, resolvemos pegar a balsa para São Luís, isso nos economizou uns 350 km. Por sorte, a balsa estava bem animada com um grupo de dançarinos de Cururupu que iam fazer apresentações na capital e estavam com todo o pique, tocando, dançando e cantando. Já deu pra sentir uma prévia do que estaria por vir. Foi muita sorte chegar a São Luís bem nessa época quando se comemora uma das festas juninas mais bonitas do Brasil. Ao chegar à cidade, fomos em busca de camping, havíamos mandado vários pedidos de couchsurfing, porém ninguém estava disponível devido à época de festas. Pela dificuldade que tivemos para encontrar um camping, resolvemos ligar para um contato do couch pedindo auxílio. Foi aí que Gabriela, mesmo estando ocupada, nos recebeu em sua casa. Apesar da aparência de menina, que parece uma bonequinha, tem uma personalidade forte, a qual apreciamos muito, além de querida, divertida, batalhadora e super atenciosa. Conhecemos então um paraíso perdido na capital maranhense. Ela vive com a família em um sítio, acompanhada de uma matilha! Nos sentimos parte da família nesses dias que vivemos juntos. Sua mãe, Gladys, que mais parece sua irmã, diariamente nos preparava um delicioso café da manhã com cuscuz, do qual fiquei viciada. Lá vive também Juninho, Gabriele e Graziela, além dos sete cachorros: Escuridão (dobermann), Valente (rottwailer), Urso e Ursula (Akita), Menino e Menina (Labrador) e Pitbundinha (Pitt Bull). Será que falta segurança nesse sítio? Alguém se arrisca a entrar sem ser convidado? Conhecemos também o Albert, namorado de Gabriela, baterista da banda Ária. Não dava vontade de ir embora. No dia que estávamos de partida ajudamos a Gabriela a levar os cães no veterinário, como levamos a metade do dia para fazer isso, já tínhamos uma desculpa para fiarmos um dia a mais, hehe. A família toda é muito acolhedora, inteligente, agradável, amorosa e divertida. Agora se entende porque as pessoas do couch que a Gabriela hospeda sempre ficam um tempão.

 

Gabriele, Alex, Grazi, Gabi, Gladys, Albert e Julio na praia do Raposo

 

Na primeira noite, Albert e Gabriela nos levaram ao centro da cidade para participar da festa de São João. São tantas apresentações, tanta cor, músicas folclóricas, danças, vestimentas, alegria, comidas típicas, que ficamos em êxtase. Com o tempo fomos assimilando um pouco de cada grupo e seus diferentes ritmos, lá chamados de sotaque. Tem grupos mais tradicionais que seguem o enredo conhecido no Brasil inteiro, sobre o boi, mas existem diversos grupos que narram a história de forma simplificada através de diversos sotaques diferentes. Cada sotaque tem características próprias que se manifestam nas roupas, na escolha dos instrumentos, no tipo de cadência da música e nas coreografias. A mais divertida, e que chama a platéia para um tipo de transe é o sotaque de matraca, na qual todos que quiserem batem dois pedaços de pau (matraca) no ritmo da dança.

 

Festa Juninia – São Luís

 

Abusado!

 

Abusada!

 

Tivemos noites espetaculares, não imaginávamos o tamanho da devoção e dedicação deste povo para uma festa folclórica. Foi uma aula de alegria, dança, cultura, e por ai vai. Por isso resolvemos passar todas as noites curtindo um pouco desta festa fabulosa que se espalha por toda a cidade, foram quatro noites de pura alegria.

 

Pegação!

 

Boi da cara preta

 

Só na sacanagem

 

Saímos para conhecer o centro histórico, que de noite fica bem iluminado e estava cheio de bandeirinhas de festa junina. Grande parte do centro possuí os casarões coloniais bem conservados muitos, com o passar dos anos, tiveram sua fachada revestida com azulejos para melhor conservação. Estes azulejos possuem lindos desenhos e hoje se tornaram o símbolo da cidade. Durante o dia estão abertos alguns museus da cultura local e galerias de arte e artesanato que valem a visita.

 

Bandeirinhas no centro

 

Mercado no centro

 

A parte nobre e também turística da cidade possui lindas avenidas à beira mar, repletas de bares, restaurantes, lagunas e praias lindas com longa extensão de areia com campos de futebol e… IMPRÓPRIAS para banho. Fora da área nobre, a cidade é um queijo suíço, nunca vimos tantos buracos em uma cidade só, inclusive chegamos a ver um carro semi-tragado por um buracão. Prova de que coronelismo não ajuda em nada, não é família Sarney!?!

 

Praia de Calhau

 

Tivemos também a oportunidade de fazer um passeio com toda a família na praia da Raposa e almoçar junto um peixinho fresquinho com camarões. Para nós essa união familiar nos trás muito aconchego. A cidade de São Luís é muito linda para se visitar, mas o que realmente nos faz ter vontade de voltar é rever a Gabí e sua família. Desejamos-lhes toda a felicidade e booooraaaa visitar a gente lá em Floripa!

 

Julio e escuridão

Anúncios