Ushuaia – Parte 2

Ushuaia – Parte 2 – 24 a 27 de dezembro de 2011

 
Voltamos ao fim do mundo pro Natal, nos demos o luxo de passar esta época em hotel e, por sinal, a Hosteria del Recodo foi um dos melhores custo/benefício. Tinha até aquecimento no piso do banheiro, um luxo só. A ceia da véspera de Natal passamos com a Mailyn, prima do Julio, acompanhada de seu namorado Marcos. Procuramos um restaurante para a ceia, mas quase todos os restaurantes da cidade estavam fechados, depois de muita busca finalmente encontramos um com uma vista incrível da cidade, o preço foi salgado, mas muito gostoso, tivemos uma agradável noite de conversa até o sono bater depois de tanto comer.

 

Marcos e Mailyn na véspera de Natal

 

Dia do natal, estávamos aguardando para que meu pai Rogério, vulgo Zezo, e seus amigos, Janio e Marcelo Timm chegassem. Enquanto aguardávamos, conhecemos um simpático casal de brasileiros, nos entretemos tanto na conversa que a espera passou despercebida e ao fim do dia eles chegaram. Estavam muito cansados, mas felizes como adolescentes, fizeram uma difícil viajem enfrentando os ventos da Patagonia, mas enfim chegaram ao fim do mundo.

 

Os motociclistas: Janio, Zezo e Timm.

 

Pai da Hanna (Zezo), Hanna e Julio no Ushuaia

 

No dia seguinte fizemos o passeio pela cidade, acompanhamos os novatos no fim do mundo nas compras de lembrancinhas para a família e fomos ao Cerro Martial. Os meninos se empolgaram e resolveram ir mais além e caminhar um pouco pela neve. Fiquei aguardando, tirando algumas fotos deles, fazendo meu pequeno boneco de neve. O tempo começou a fechar, a chuva começou a cair e se transformar em neve. Depois de alguns minutos resolvi descer para esperar eles no pé da montanha. Chegaram felizes, rastros de bunda molhada indicando que a descida não foi assim tão fácil. Não me pergunte quem enganchou em quem no esqui bunda.

 

Subindo o Cerro Martial

 

Cerro Martial, Ushuaia

 

Anúncios

Ushuaia – Parte 1

Ushuaia, 16 a 19 de dezembro de 2011.

 
Seguimos viagem para o Ushuaia, os pais do Julio nos encontrariam lá de avião. O caminho ficou um pouco demorado por causa dos tramites de imigração e da passagem pelo Estreito de Magalhães.

Balsa para atravessar o Estreito de Magalhães.

Perdemos quase 2 horas de viagem, mas passar o canal torna-se divertido com a aparição de um grupo de golfinhos que gostam de surfar nas ondas da balsa. São golfinhos completamente diferentes do que conhecemos no Brasil, o corpo deles é branco com barbatana, nariz e nadadeiras pretos.

Golfinhos de magalhães.

Assim que começou a escurecer, começamos a procurar um camping, mas o único que encontramos estava fechado e a região não é muito propícia para acampar, em geral é tudo muito plano e faz muito vento pela Tierra del fuego.

Chegando à Terra do Fogo

Estávamos à procura de um local mais protegido e eis que encontramos uma família acampando na beira da estrada, próximos à algumas árvores, aproveitamos para ficar por ali, pois com um grupo grande nos sentimos mais seguros. Eles estavam com uma van e não temos idéia de quantas pessoas eram, mas com certeza era uma família grande, tinha cachorro e tudo. Estavam em ritmo de festa, com umas músicas bregas, estávamos tão cansados que nem nos importamos. Mas o que nos impressionou foi a alegria da família, os pais e sua penca de filhos dançando e curtindo uma enorme fogueira no meio do nada. Mais uma prova que não precisa de muito para ter momentos felizes.
No caminho para o fim do mundo, o carro fez um barulho forte, parecia que o turbo estava se despedindo de nossa aventura.

Continuamos nossa viajem com muita precaução, faltava aproximadamente 90 km para chegar e depois de muitos kilometros andando sobre deserto, no trecho mais bonito ficamos tensos. Depois fomos descobrir que se tratava da mangueira do turbo que havia desprendido, solução fácil e barata.

Finalmente chegamos ao fim do mundo, a cidade de Ushuaia não é muito bonita, mas tem seu charme. Vêem-se muitas casas simples, mal cuidadas e jardins secos, mas quando você vê o conjunto, a cidade construída em meio às montanhas nevadas, que no verão contemplam uma vegetação bem verde, os portos com vários barquinhos e às 22 horas você janta curtindo o por do sol, Ushuaia começa a ficar bem interessante.

Ushuaia, vista do catamaran

Fizemos o passeio de barco que passa por algumas pequenas ilhas, onde podemos ver muitos lobos marinhos e vários pássaros. Na ilha de comorões, que ficam em seus ninhos chocando seus ovos, encontra-se um probleminha… fede… mas fede, e fede muito. Eles usam suas fezes para fazer os ninhos e que fermentam e ajudam a aquecer os ovos.

Família de comorões em seu ninho de merda!

Ilha dos pássaros e lobos marinhos! Tirando o fudum, a vista é muito linda!

Bah... o condor roubou nosso almoço!!

Farol do fim do mundo

Fomos visitar um dos principais pontos turísticos e históricos da cidade, o presídio, que foi a forma encontrada para popular a região… só a força pra alguém querer ir passar tanto frio.

Ala antiga da prisão do Ushuaia.

Níveis de loucura enfrentados pelos presos.

Fizemos um passeio pelo Parque Nacional da Terra do Fogo onde, teoricamente, é o fim da Ruta 3 e o ponto mais extremo sul de Ushuaia.

Ó o seu Carlos mostrando o caminho!

Vista do parque tierra del fuego!

Lá tem o último correio do mundo e, por ignorância do homem, existem muitos castores no parque, animal que foi trazido do Canadá na época da colonização e por não existir predadores naturais eles se proliferaram facilmente na região. É possível ver as barragens que eles constroem em algumas corredeiras do parque.

Hanna de castorzinha!! Ela que fez a barragem.

Pegamos as areosillas para subirmos no Cerro Martial, apreciar um pouco de neve, curtir vento, um pouco de frio, chegamos até um punhado de neve e apreciamos um belo visual da cidade.

Love is in the air.... literalmente! Carlos e Marília nas aerosillas.

Visitamos alguns lagos ao redor da cidade e nas encostas podem-se apreciar algumas árvores bem inclinadas pelo trabalho do vento.

EEEE ventania!

As comidas tradicionais da região são o cordeiro, a centolla, um tipo bem grande de caranguejo e a merluza negra. Não deixem de comer o cordeiro na Vila Marina, este realmente é delicioso. O tempo que estivemos com Carlos e Marília foi muito agradável, mas chegou a hora de despedida, que para nós é sempre um pouco triste.

Todos juntos no fim do mundo!

Ainda teríamos que nos encontrar com meu pai no Ushuaia, mas a previsão de eles chegarem era de aproximadamente 6 dias, então resolvemos dar um alô ao simpático vizinho Chile. Seguimos para Puerto Natales, a cidade mais próxima ao Parque Torres del Paine. Mas antes tivemos que trocar o nosso farol queimado, o farol esquerdo. Existe um mistério por aqui, vimos muitos carros com o farol queimado, mas era sempre o esquerdo, por que o esquerdo? Não temos a mínima idéia, alguém sabe responder?

Vista de cima da cidade! Ushuaia tem seus encantos.