Buenos Aires

Buenos Aires, 15 de outubro a 15 de novembro de 2011

Viajamos durante 3 dias, fizemos 1500 km com muita calma. Perdemos vários minutos em postos policiais, pra variar. Dormimos em postos de combustíveis, conversamos com vários caminhoneiros, comemos onde eles comem e, por sinal, comem muito bem. No último dia de viajem antes de chegar a BA, aproveitamos para acampar e dormir uma última noite na nossa querida e confortável barraca, pois ficaríamos 1 mês em um estúdio flat. Acampamos em Zarate, que fica a mais ou menos 60 km de BA, uma cidade que contém várias indústrias e aparentemente muito rica. Para chegar à região dos campings, você tem que atravessar uma ponte bem interessante, de aproximadamente 4 km, mas para isso tem que pagar um bom pedágio para atravessá-la, porém quase todos os campings oferecem uma autorização isentando você de pagar o pedágio cada vez que precise ir ao centro da cidade. Lá, ficamos no camping El Faro, que fica à beira do canal. O canal é pequeno, mas os barcos que passam por lá são enormes. Tivemos a oportunidade de conhecer Juan Carlos, o simpático dono do El Faro, que nos preparou um delicioso churrasco de costela a moda argentina, acompanhado de cerveja e surpreendentes histórias sobre a vida. Ele fez daquele pequeno pedacinho de terra um delicioso paraíso com muitas flores muito bem cuidadas, onde ele passa muito tempo trabalhando, e neste pequeno paraíso que ele busca a tranquilidade para a cura de seu câncer. Estamos torcendo por ele.

 

Camping El Faro em Zarate

 

Buenos Aires finalmente! Chegamos no sábado pela manhã, o transito estava calmo. A localização do apartamento que alugamos foi perfeita, próximo da 9 de Julio, da praça do Congresso, da Casa Rosada, o que nos possibilitou de conhecer os principais pontos turísticos a pé. Para quem tiver interesse de ficar em BA com a comodidade de uma casa, existem vários sites de imobiliárias que alugam apartamentos para turistas sem burocracia, você escolhe o tempo que deseja permanecer, o contrato é simples e tem apartamentos para todos os gostos e bolsos. Em geral são bem mais baratos que hotel e a conta de água, gás, energia, tv a cabo e internet (nem sempre) estão inclusas no valor da diária, a única taxa extra é da limpeza, que não é cara. Nos primeiros dias esquecemos que éramos turistas e tiramos um tempo para brincar de casinha, antes de começar a ser turistas.

 

Brincando de casinha!

 

Depois resolvemos virar turistas típicos, fizemos um passeio com aqueles ônibus de dois andares para conhecer os principais pontos turísticos e descobrir quais eram os mais interessantes para desfrutarmos com mais tempo. Nas informações turísticas recebemos um guia para conhecer BA a pé. As duas opções são interessantes. De ônibus você aprecia o que BA tem de melhor para oferecer em um único dia. Não deixe de fazer o roteiro durante o dia e durante a noite, é sempre bom conhecer a versão noturna da cidade. A pé com calma, você visita todos os pontos, tira todo o tempo necessário para fazer lindas fotos, sentir o cheiro dos diversos restaurantes que se encontram no caminho, entrar e sair dos museus sem pressa e descobrir muitas surpresas no caminho.

 

Vista do obelisco de uma das grandes avenidas!

 

Tivemos a oportunidade de chegar à véspera das eleições e acompanhar os protestos dos socialistas. Por que será que nunca vejo os capitalistas protestando? Sei o que responder, mas acho que muitos amigos meus não vão gostar da minha opinião…

 

Protestos no meio da avenida 9 de Julio

 

Protesto no dia da eleição

 

Várias pessoas nos perguntaram o que iríamos fazer durante um mês inteiro em Buenos Aires. Realmente, um mês é muita coisa, porém a cidade tem muito a oferecer. Todo dia fazemos um roteiro diferente, e mesmo assim sempre parece que temos pouco tempo para tanta coisa. O que desfrutar? São muitas opções de livrarias, cafés deliciosos, bares, restaurantes, pizzarias, música, teatros, museus, feiras, parques, monumentos, arquitetura e tango. Achou pouco? Aproveitamos também este tempo para rever algumas pessoas queridas. Tivemos a oportunidade de encontrar a Lia, prima do Julio, que vive em BA e recebemos também a visita dos nossos queridos cunhados Ricardo e João. Curtimos balada, pub, restaurantes, fizemos compras, refizemos turismo e matamos um pouco da saudade dos familiares. E por último nosso querido amigo Jean que participou de dois eventos muito importantes na cidade. O show do Kyuss Lives!, acompanhado do Julio… (não faz meu estilo) mas os dois voltaram muito felizes. E o outro, tão esperado por mim, o show do Pearl Jam, que poderíamos assistir milhões de vezes e sempre nos emocionarmos. O mais engraçado de assistir show na argentina é escutar eles acompanhando os riffs com oOoOoOoOoOo. Em questão de público os argentinos estão de parabéns pela empolgação.

 

João, Ricardo e Julio no Jardim Japonês! Matando saudades da família!

 

Julio e Jean falando de música! Matando a saudade dos amigos!

 

Sem palavras! Não vou chorar.... não vou chorar!

 

Mas nem tudo são flores para nossos ouvidos. Certo dia resolvemos sair para curtir um cover de Nirvana, num bar underground (isso geralmente significa um bar sujo, caro, escuro, com donos sequelados e um atendimento completamente inexperiente, a única vantagem desse ambiente é ter a oportunidade de ouvir boas bandas de rock de garagem) chegando lá tinha um sujeito com o cabelo alisado e descolorido, calça rasgada e camiseta do Nirvana, supomos que ele seria da banda. A primeira banda tocou um stoner rock em espanhol, muito bem tocado, ficou interessante. Quando sobe a banda cover de Nirvana, o sujeito o qual nos referimos estava lá, era o vocalista e guitarrista, a sua guitarra era estilo Lenny Kravitz e brilhava, pode parecer preconceito, mas pela guitarra não esperávamos muito. A banda começa, esse sujeito solta o cabelo pra fazer mala de roqueiro descolado, mas o cara simplesmente não sabe tocar nem cantar, caí num acesso de riso, nosso dinheiro da entrada foi pro ralo, no início da segunda música já estávamos desesperados com tamanha desafinação e falta de sintonia da banda. Não aguentamos, tivemos que sair dali, nossos ouvidos não são penicos. Foi definitivamente a pior banda cover que já assistimos.

Tem muitas opções de passeios na cidade, adoramos muito passear por Puerto Madero, tem diversos prédios modernos de grandes empresas, um ambiente arrojado, organizado, com lindos parques e diversas opções de bares e restaurantes. Não deixe de visitar o museu Amalia que tem lindas obras e uma infraestrutura de museu alto nível, acho que foi um dos museus que mais nos identificamos até agora, o mais caro também, mas vale a pena. No canal tem dois navios museus atracados que estão disponíveis para que você possa conhecer e desfrutar de muitas histórias em suas expedições. Na ponte da mulher é interessante andar olhando para cima, dá sensação que ela está em movimento. Na avenida que dá pro lado do rio, você vai sentir um delicioso cheirinho de churrasco, onde estão vários barzinhos que servem choripan e parrilladas, mas não se arrisque, a não ser que você goste de comer onde os pombos comem, aí tudo bem… antes do público chegar, as comidas ficam expostas em mesas onde os pombos petiscam um pouquinho para testar se o sabor está bom, ahhh… o que estou dizendo? Se eles sobrevivem, vocês também sobreviverão!!!! huahauaua!!!

 

Um pouco da arte de Gabriel Fernandez, com "Abuelito".

 

Se você estiver com vontade de comer uma deliciosa comida Made in China, Bairro Chino tem. Basta ir para Belgrano.

Tem uma rua que quase não se comenta nos guias, fica no bairro Abastos, lá você vai encontrar algumas casas com pinturas tradicionais, vale a pena conferir. Lá tem também um antigo mercado que foi transformado em um shopping muito bonito e com uma excelente praça de alimentação.

 

Julio em Abastos, o lar do tango e de Carlos Gardel

 

Casinhas pintadas em Abastos

 

Muitos turistas vão até o Congresso, tiram fotos e se esquecem de conhecê-lo. A visita ao congresso é guiada e gratuita. É um momento excelente para conhecer um pouco sobre a história da política argentina e, provavelmente, você encontrará um guia muito agradável para conversar que fará com que um simples passeio vire uma aula de história com fatos muito curiosos.

 

O imponente Congresso Nacional

 

Cachorros sendo "passeados" na praça do Congresso

 

Se você quiser conhecer o Teatro Colon, oportunidades não vão faltar. Com muito pouco você poderá assistir obras grandiosas, pois os ingressos estão disponíveis para todos os bolsos. Por exemplo, fomos assistir a ópera Fedra e os ingressos custavam de 300 pesos a 20 pesos, não preciso nem dizer quanto pagamos eheheh, o Julio achou terrível e queria os 20 pesos dele de volta. O Colon é um dos melhores teatros do mundo, têm excelente acústica e uma arquitetura incrível. O melhor é conhecer assistindo alguma apresentação, e o melhor de tudo é que você não precisa pagar caro pra isso, cultura aqui não é só pra quem pode. Para nós, isso foi fantástico… cadê o incentivo à cultura no Brasil?? Nesse lado a Argentina deu um baile.

Para quem gosta de rosas, é imperdível o roseiral de Palermo, nunca havíamos visto tantas rosas tão bem cultivadas em um único lugar, diversas espécies e perfumes, para uma apaixonada por flores como eu é um encanto para os olhos e nariz. E para casais, um romântico lugar para passeio. Homens, fica a dica para melhorar o humor de qualquer mulher.

 

Rosas em Palermo

 

João e Hanna no Rosedal

 

Outra ótima opção na região é visitar o Jardim Japonês. Fizemos a visita com o João e o Ricardo. Foi muito divertido, pois naquele mesmo dia tinha festival de mangá e anime com vários adolescentes vestidos como seus personagens favoritos.

 

Goku vs. Scorpion.... pra mim o Goku leva frouxo!

 

Malba, maravilhoso Malba. Muita arte, e você ainda tem a oportunidade de ver o auto retrato de Frida Kahlo e um autêntico Tarsilla Amaral. Ainda tivemos a sorte de ver bem próximo a super ex top model Cindy Crawford, que óbvio se não nos dissessem quem era nunca íamos adivinhar, a tv e produção fazem milagres.

O Caminito te rende fotos muito coloridas e aos domingos, se tiver sorte, você pega uma apresentação de teatro de rua. Um local turístico muito alegre, com barraquinhas de artesanato, muitas apresentações de tango e museu ao ar livre.

 

Hanna e as casinhas pintadas do Caminito

 

Hanna e a boneca ruiva, em algum museu no Caminito

 

Feira de Matadeiro fica um pouco distante do centro, mas vale a pena o passeio, tem cheiro bom de comida de barraquinhas, tem doces e compotas, tem tango e queijos, tem artesanato e chimarrão, tem muitos argentinos e poucos turistas para conhecer um pouco melhor suas tradições.

Se você gosta de sentir cheiro de cocô de gato, vá ao cemitério da Recoleta, e visite o túmulo de várias personalidades. Se você gosta de manifestações vá à casa rosada, sempre vai ter alguma pra você participar. Se você gosta de discução está no lugar certo, aqui os portenhos são ou 8 ou 80. Muito educados ou muito grosseiros. Esperamos que você tenha sorte.

 

Flor carnívora da Recoleta, tentando comer um aviãozinho

 

A comida da cidade não nos impressionou, ainda não vimos nada de especial com relação a carne argentina, talvez por ser a capital e por ser mais dedicado a culinária internacional do que local. Os preços são muito bons, em comparação à Floripa mesmo são ótimos. Mas foi saindo de BA, em direção à Península Valdés que sentimos o verdadeiro sabor da deliciosa carne Argentina. Num desses simples restaurantes de beira de estrada. Sem palavras para descrever a maciez e o sabor da carne. E o preço melhor ainda. Nada como mudar um pouco… depois de 30 dias foi bom descobrir novos bons ares.

 

 

Anúncios